‘É preciso ter fome de futuro’, diz Nizan Guanaes para empresários

0
55
Durante palestra, o publicitário Nizan Guanaes disse que é preciso “olhar menos para o concorrente e olhar mais para a nossa estrada” (Paula Fróes)

Em clima de descontração,  um grupo de empresários de 42 marcas, locais e nacionais, se reuniram, ontem,  em Salvador para assistir a uma palestra do  publicitário baiano Nizan Guanaes. Bem-humorado, ele apontou os desafios para o futuro e as barreiras que as empresas terão que vencer para se adequar ao novo cenário. “Falar do futuro é falar em várias dimensões. Primeiro, não é saudável ficar com a cabeça no futuro, é preciso pensar no presente ou ficaremos loucos. Segundo, só vamos prever o futuro se olharmos atentamente para o presente. É daí que vem as soluções. O outro ponto é não desprezar o passado, porque no passado há muitas coisas modernas que só precisam ser atualizadas”, disse.

Durante o almoço de negócios, promovido  pelo site Alô Alô Bahia e que aconteceu no Porto Salvador Eventos,  Nizan afirmou que é preciso “gastar tempo com o futuro e ter fome de futuro”, e  aconselhou os empresários  a viajar pelo mundo para conhecer novas experiências. A plateia ouviu também que, acompanhar as mudanças e transformações, é vital para qualquer negócio, que é muito mais fácil aprender do que desaprender e que conhecer o passado é importante. Ele também falou que o futuro no pós-pandemia é incerto, mas cheio de oportunidades.

“Estamos diante de coisas que nós não prevíamos, mas dentro do imprevisível tem soluções também previsíveis e isso é muito bom. A pandemia vai trazer algumas mudanças de comportamento, como a mudança do trabalho e, historicamente, quando o trabalho muda, o ser humano muda. O fato de a  pessoa poder trabalhar de casa e de qualquer lugar estende para Salvador, por exemplo, a capacidade de ser a capital do home office. Então, precisamos estar atentos a essas mudanças”, afirmou.

 Nizan Guanaes tem 30 anos de experiência  e é um dos cinco brasileiros mais influentes do mundo de acordo com o jornal britânico Financial Times.  Fundador do Grupo ABC, atualmente é estrategista da N Ideias, prestando consultoria para grandes empresas do Brasil. A palestra foi intitulada A importância de desaprender e inspirada no livro Desaprenda: Como se abrir para o novo pode nos levar mais longe, do escritor gaúcho e sócio fundador da Grinberg Consulting, Cassio Grinberg, que também esteve do evento.

“A pandemia desacomodou algumas coisas de lugar e estamos em um momento de entender onde foram parar essas coisas. E o conceito de desaprender é justamente essa capacidade de olhar e perceber que o que nos trouxe até aqui não necessariamente é o que vai nos levar daqui em diante. O que vai nos levar daqui em diante é essa reinvenção, essa nova forma de entender os problemas dos clientes. Precisamos olhar menos para o concorrente e olhar mais para a nossa estrada”,  afirmou.

Além de Nizan e do diretor geral do Alô Alô Bahia, Rafael Freitas, participaram do evento líderes de grandes empresas de diversos segmentos. O diretor comercial do Itáu, Fábio Villa, está otimista. “O Brasil está saindo da pandemia melhor do que ele entrou, em várias circunstâncias. A gente acabou testando a capacidade de reinvenção do brasileiro, que é um povo criativo por definição dada a sua diversidade, origem e desafios. A barreira de tecnologia destruiu a barreira de custo, então, vejo um horizonte de médio e longo prazo de um Brasil com bastante entusiasmo”, afirmou.

Escolhas
A diretora executiva do CORREIO, Renata Correia, lembrou que alguns segmentos começaram a vivenciar os processos de transformação mais cedo que outros, e que se adaptar ao futuro é a escolha mais inteligente para superar as adversidades.

“A imprensa serve de apoio para que todos os setores possam se desenvolver. Nós somos a voz da sociedade, então, nosso papel é justamente transmitir o que todos estamos discutindo. Além disso, a imprensa passa por uma transformação contínua. Hoje, não existe fronteiras, estamos em todos os lugares, o digital nos proporcionou isso. E se a nossa indústria foi capaz de se transformar tanto, acredito que serve de exemplo para que todos os outros busquem essa transformação e se encaixem para o futuro”, disse.

Já o presidente do conselho de administração da Rede Bahia, Antonio Carlos Júnior, frisou que o futuro pós-pandemia terá muitos desafios e novas oportunidade de negócios, e que as escolhas feitas em 2022 serão ainda mais importantes. “Teremos eleições no ano que vem e os futuros dirigentes do estado e do país terão uma grande responsabilidade nas transformações. O impacto será muito grande e se as escolhas forem bem feitas nós teremos melhores chances de desenvolvimento, não só do estado, mas do país. Acredito que o povo precisa refletir bastante na decisão de votar no ano que vem, porque essa decisão vai ter um impacto enorme”.

 A última edição do almoço de negócios,  em setembro, focou em ações para a retomada empresarial. Desta vez, o tema foi futuro e marketing digital. Representantes do poder público, como a vice-prefeita Ana Paula Matos, a secretária de Comunicação da prefeitura, Renata Vidal, e o presidente da Saltur, Isaac Edington, também marcaram presença.

Fonte: Correio24h

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here