Coração de economista morto em espancamento na Pituba é doado a homem de 34 anos

0
398
Nilson Marinho* e Milena Teixeira*
redacao@correio24horas.com.br

Em meio a tragédia, um gesto de amor. O coração do empresário Luciano Rodrigues Vieira, 43 anos, morto no final de semana após um espancamento no bairro na Pituba, em Salvador, foi doado a um homem de 34 anos. A doação dos órgãos era um pedido de Luciano, segundo seu irmão, que preferiu não se identificar. “A doação de órgãos era um pedido dele, vamos aproveitar quase tudo, inclusive o coração”, disse ele, enquanto aguardava o corpo da vítima no Instituto Médico Legal (IML) nesta segunda-feira (11).

A captação de órgãos foi feita durante esta madrugada no Hospital Ana Nery, no bairro da Caixa D’água.  Segundo a assessoria do hospital, duas córneas, dois rins, fígado e coração foram captados para transplantes e aguardam a realização das cirurgias.

Segundo dados divulgados, em fevereiro, pela Secretaria da Saúde do Estado (Sesab), apenas 30% das famílias autorizam a doação de órgãos ou tecidos. O número coloca os baianos entre os três estados com o maior índice de negativa familiar para a doação de órgãos no país. Em média, os pacientes levam dois anos aguardando por um órgão, mas essa espera é maior em muitos casos porque nem sempre o doador é compatível.

O transplante foi o segundo de coração que aconteceu no estado desde 2015. Em março, o CORREIO denunciou que a Bahia tinha 15 pacientes aguardando transplante cardíaco, segundo a Central Estadual de Doação de Órgãos.

A angústia da espera, no entanto, supera o medo de morrer antes de conseguir o coração novo ou o risco de ter complicações após a cirurgia. Isso porque, embora o estado tivesse equipamentos de ponta e equipe treinada, de 2015 para cá só havia feito uma cirurgia.

Em 2015, o Hospital Ana Nery (HAN) realizou o primeiro transplante de coração em hospital público na Bahia. Na época, a expectativa da direção era que a unidade realizasse de 10 a 20 operações por ano. No entanto, nenhum outro procedimento foi feito no local ou estado até maio deste ano, quando os procedimentos voltaram a ser realizados.

Com o coração trasplantado de Luciano, agora, são dois casos realizados este ano no estado.

O que aconteceu com Luciano?

Luciano chegou no  Hospital Geral do Estado (HGE) às 2h15 da manhã, na madrugada de sexta pra sábado. Ele foi socorrido por uma ambulância da Samu após ser espancado na porta de casa na Rua Engenheiro Adhemar Fontes, na Pituba. De acordo com informações do posto policial da unidade, ele deu entrada no hospital com vida, apresentando lesões e traumas.

Segundo testemunhas, o crime teria acontecido após uma briga no bar Preto. No entanto, o subgerente do estabelecimento, Vinicius Lacerda, negou a versão. “Não houve nenhuma discussão aqui no Preto que a gente tenha visto. Tanto que aqui no bar tem segurança e ela nem foi acionada”, explicou.

“Luciano saiu peregrinando, fazendo as coisas dele, mas não posso confirmar, não sabemos quais locais exatos ele passou naquela noite. Nessa vida ele só fez mal a ele, com problemas pessoais,  mas não era de briga”, disse o irmão da vítima.

Investigação
A delegada que está nas investigações inicias do caso, Maria Selma, da 16ª Delegacia (Pituba) , disse que já solicitou imagens na rua do Preto, local onde ocorreu o crime. Ela diz ainda que está “atrás dos amigos que estavam com Luciano” na noite de sexta.

“Já solicitamos as imagens e estamos atrás de testemunhas. Vamos ouvir o dono do estabelecimento, o porteiro do prédio e os amigos que estavam com a vítima”, informou ela.

*Com supervisão do chefe de reportagem Jorge Gauthier

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here